Você conhece o Tuco-tuco?

Festas comemorativas e intoxicação alimentar nos pets!
Dezembro 9, 2016
Pets e os cuidados com os enfeites de Natal!
Dezembro 21, 2016

Você conhece o Tuco-tuco?

Provavelmente não. O tuco-tuco é um mamífero roedor que vive nas dunas das praias e, apesar de desconhecidos pela população, existem cerca de 60 espécies de tuco-tucos na América do Sul. No Brasil ocorre o tuco-tuco branco (Ctenomys flamarioni) que habita as praias do Rio Grande do Sul.

À primeira vista o tuco-tuco parece um porquinho da índia, com cabeça robusta, olhos e orelhas pequenas, mas com fortes dentes anteriores. Ele se alimenta de plantas, folhas e raízes de áreas de restinga, portanto é herbívoro, e possui patas anteriores bem fortes que o possibilita cavar a areia. Como tem coloração clara, acaba se camuflando nas dunas, onde cava galerias subterrâneas de pouca profundidade.   tuco-tuco-2

Os tuco-tucos tiveram que se adaptar para viver nas restingas, uma área onde a salinidade é alta, os ventos são fortes e constantes, a água é escassa, o sol é forte e as temperaturas oscilam bastante com muito calor de dia, mas frio durante a noite. A construção dessas tocas sob a areia, onde habita a maior parte do tempo, colabora muito para atenuar essas condições climáticas tão adversas e o possibilita também armazenar alimento e criar sua prole com segurança. Possuem hábitos tanto diurnos quanto noturnos.

Os maiores predadores dos tuco-tucos são as serpentes, os felinos e canídeos selvagens e as aves de rapina. Como a ocupação humana em áreas próximas ás restingas, além do homem, cães e gatos domésticos também são ameaças ao tuco-tuco. Mas a principal ameaça ao tuco-tuco branco é a remoção nas dunas que tem ocorrido pela desenfreada ocupação urbana nos litorais, privilegiando a construções de balneários e condomínios de luxo e descaracterizando o ambiente natural, destruindo o habitat dos tuco-tucos e até introduzindo indevidamente plantas que não são nativas daquele ambiente.

tuco-tuco-1

O tuco-tuco branco já se encontra ameaçado de extinção e provavelmente o único passo para preservação dessa espécie é a conscientização do homem sobre a importância de se preservar os ecossistemas, como a restinga. E exigir que os órgãos públicos, antes de permitir grandes empreendimentos imobiliários, façam um estudo técnico avaliando os impactos que as obras podem vir a ter nessa e em outras espécies do local.

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) possui projeto de estudo e preservação dos tuco-tucos. Você pode conhecer mais acessando www.ufrgs.br/projetotucotuco.

Semana que vem, voltamos falando sobre outro animal silvestre. Deixe seus comentários e sugestões abaixo. Que animal silvestre você gostaria de ver nas nossas colunas no Petchannel?

Até a próxima!!!!!

(Fotos/Imagens: Internet)

                          Foto claudio para coluna no site pronta   Claudio Machado – Biólogo

 

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *